[RESENHA #884] ADEUS, GANA - TAIYE SELASI


Sinopse: Aclamado romance de Taiye Selasi - uma das maiores vozes da literatura contemporânea - Adeus, Gana é ao mesmo tempo o retrato de uma família marcada pela separação de seus caminhos e uma viagem pela importância que nossas origens têm na formação de nosso caráter.

Kweku Sai, renomado cirurgião formado nos Estados Unidos e autoexilado em Accra, capital de Gana, está morto. A notícia da morte de Kweku chega aos mais diversos cantos do mundo, aproximando os laços quase perdidos de uma família que ele abandonara anos atrás.

Costurando com maestria uma narrativa entre diferentes tempos e lugares, Taiye Selasi fala de como certas verdades são capazes de curar as feridas mais escondidas, em um romance sobre o poder de transformação que há no amor incondicional.

Resenha/Opinião: Publicado pela Planeta em 2021, "Adeus, Gana" é o primeiro livro de Taiye Selasi e foi publicado originalmente em 2013. Adeus, Gana foi dividido em três partes: Partido, Partida e Partir. Aqui acompanhamos a história de uma família despedaçada, fragmentada, marcada por sentimentos diversos e ações mal planejada, bem como por palavras que não foram ditas. Essa família sobreviveu através das dificuldades, bem como dos cacos internos de cada um, mas ela se espalhou pelo mundo, precisou se reinventar e fugir do passado assombroso.

Kweku Sai saiu de Gana muito jovem e foi para os Estados Unidos estudar medicina, algo que ele conseguiu e após graduar-se na área tão sonhada foi conquistando o seu espaço, se tornou um médico renomado, constituiu família com Fola, uma mulher de origem nigeriana e com ela teve quatro filhos (Olu, Taiwo, Kehinde e Sadie). Com o sucesso em sua profissão ele comprou a casa dos sonhos, mas o destino mudou a sua vida, pois um terrível caso de racismo fez com que ele perdesse o seu emprego. Agora desempregado, Kweku é um homem desesperado, ele é um ser humano aflito e no seu desespero ele abandona a sua esposa e os quatro filhos. Kweku decide retornar para o seu país natal, Gana.

Com o passar do tempo a família é fragmentada e cada um constrói a própria vida, os filhos se estabelecem nas profissões que escolheram, mas cada um vai para um lugar. Contudo, o fantasma do abandono paira sobre todos, eles precisam conviver com essa sombra que persegue todos. Muitos anos se passam e a família Sai recebe uma notícia que de certa forma abala todos, Kweku morreu. A morte do antigo patriarca ou provedor da família faz com que Fola e seus filhos se reencontrem, eles decidem ir até Gana para o velório de Kweku Sai, eles devem enterrar o próprio pai.

Ao se reencontrarem em Gana, Fola e seus filhos relembram momentos que tiveram em família, relembram o abandono, a perda e a dor que cada um dos integrantes da família precisou enfrentar. Aliás, todos os irmãos possuem algum problema de relacionamento entre si, eles também tiveram algum problema com os pais e esse reencontro serve como uma terapia em conjunto para que possam lidar com os seus problemas e traumas pessoais, serve para lidar com toda a dor ocasionada pelo abandono do pai, bem como pela divisão que ocorreu na família.


Adeus Gana é um livro maravilhoso e ao mesmo tempo melancólico, pois retrata as mazelas que podem ocorrer em muitas famílias como a dor, separação, luto e divisão, além do mais a melancolia está presente nos personagens. Taiye Selasi tem uma escrita admirável, é perceptível o talento que ela tem para construir uma narrativa e o mais legal é que a história alterna entre o presente e passado, pois assim podemos conhecer melhor a história de cada personagem e tudo o que eles precisam passar.

Outro aspecto interessante é que podemos conhecer a história e origem dessa família no continente africano, pois por questões políticas eles tiveram que mudar de país, tendo em vista que Kweku é de Gana e Fola é da Nigéria. Os filhos do casal foram criados nos EUA, ou seja, há um pouco da cultura de cada país nessa grande família. Aliás, fica claro por meio da história que há uma cultura patriarcal e racista nos países africanos acima citados, mas eu mesmo não sei dizer até que ponto essa cultura ou usos e costumes está enraizado nas famílias nigerianas ou ganesas dos dias de hoje.

Os personagens apresentados são bem construídos e possuem profundidade, cada um apresenta uma característica própria. Fola por exemplo se vê abandonada em um país diferente do seu e precisa ser forte para cuidar dos quatro filhos. Vemos Kweku refletir sobre as suas ações e escolhas no final de sua vida, bem como o quanto o abandono afetou os seus filhos. Ao longo da leitura podemos ver como cada membro da família lidou e internalizou de formas diferentes o trauma do abandono, como lidaram com suas feridas, que por sinal são profundas e é interessante ver como cada um se comporta diante desse momento marcante, mas também me peguei questionando se eles nutriam algum amor entre si, pois diante de tanta tristeza e sofrimento eu fiquei com a sensação que não havia mais amor entre eles.

Adeus, Gana é o primeiro livro de Taiye Selasi e o meu primeiro contato com a escrita da autora, apesar disso, eu fiquei maravilhado com tudo que foi apresentado, pois ela criou uma história intensa, tocante e poética. A história não é linear e aos poucos desvendamos as trajetórias dos personagens. Em suma, esse é um livro que nos leva a refletir sobre as nossas ações e o quanto elas afetam as pessoas que estão ao nosso redor.


Sobre a autora: Filha de pai ganense e mãe nigeriana, Taiye Selasi nasceu em Londres e cresceu em Boston, no estado de Massachusetts, Estados Unidos. Graduou-se na prestigiosa universidade americana de Yale e é pós-graduada em Relações Internacionais em Oxford. Sua primeira novela, The sex lives of American girls, foi escrita por incentivo de ninguém menos que Toni Morrison. Adeus, Gana, best-seller vendido para 16 países e elogiado pela crítica de todo o mundo, é seu primeiro romance.

Ficha técnica:
Título: Adeus, Gana
Autora: Taiye Selasi
Tradução: Isadora Prospero
Editora: Tusquets
Páginas: 352
Ano: 2021
ISBN: 9786555354058
Onde comprar: Amazon

Postar um comentário

0 Comentários