[RESENHA #890] A SOCIEDADE DOS SONHADORES INVOLUNTÁRIOS - JOSÉ EDUARDO AGUALUSA


Sinopse: O jornalista Daniel Benchimol sonha com pessoas que não conhece. Moira Fernandes, artista plástica moçambicana radicada na Cidade do Cabo, encena e fotografa os próprios sonhos. Hélio de Castro, neurocientista brasileiro, desenvolveu uma máquina capaz de filmar os sonhos de outras pessoas. Hossi Kaley, hoteleiro, com um passado obscuro e violento, tem com os sonhos uma relação muito diversa e ainda mais misteriosa: ele pode caminhar pelos sonhos alheios, ainda que não tenha consciência disso. O onírico e seus mistérios acabam por unir estes quatro personagens numa dramática sucessão de acontecimentos, desafiando e questionando a sociedade e suas regras, além da própria natureza do real, da vida e da morte.

Resenha/Opinião: Escrito pelo jornalista, editor e autor angolona José Eduardo Agualusa, em "A sociedade dos sonhadores involuntários" acompanhamos quatro personagens que encontram-se unidos a partir dos sonhos. Daniel Benchimol, um jornalista que tem alguns sonhos perturbadores. Hélio de Castro, é um neurocientista brasileiro e foi responsável por uma grande invenção, uma máquina que consegue filmar os sonhos. Moira Fernandes, é uma artista plástica de aproximadamente 33 anos que mora em Cape Town ou Cidade do Cabo (África do Sul), ela utiliza os seus sonhos para a criação de suas artes. 

Por fim, temos Hossi Apolónio Kaley, um ex-militar de cinquenta e poucos anos que lutou na guerra civil angolana. Kaley é proprietário de um hotel em Cabo Ledo e quando jovem aparecia nos sonhos de várias pessoas. Hossi é um personagem que sofreu com o amor, pois ele perdeu um grande amor após diversos eventos bizarros e isso ocorreu há 18 anos. Nessa oportunidade Hossi foi internado em um hospital psiquiátrico em Cuba, tendo em vista que estava com problemas na memória. Contudo, após diversos sonhos desconcertantes a sua permanência no hospital tornou-se impossível.
 

Apesar de termos quatro narradores, Daniel é o personagem principal, ele é um jornalista de aproximadamente 55 anos e trabalha para um jornal independente em Luana, o Pensamento angolano. Daniel teve um grande amor, Lucrécia e com ela se casou, foi desse amor que nasceu Lúcia, mais conhecida como Karinguiri (um pássaro), mas com o passar do tempo a relação que era só amor foi se deteriorando e culminou com a separação litigiosa. O jornalista ficou profundamente decepcionado com o término do casamento, esse foi o fim de um sonho.

Daniel tem uma rotina pacata, o jornal em que trabalha é online e ele tem muita liberdade, é nesse jornal que ele escreve algumas peças teatrais e realiza algumas traduções técnicas. Daniel passa os seus dias na companhia de seu gato, Baltazar. A tranquilidade de Daniel é quebrada apenas pelos sonhos, pois ao dormir ele sonha com algumas personalidades famosas que lhe dão entrevistas e com algumas pessoas desconhecidas, mas os seus sonhos não são rápidos, são longos e ricos em detalhes. A situação fica mais esquisita quando Daniel descobre que alguns de seus sonhos retratam situações realmente verídicas que ele até então desconhecia.

No decorrer da leitura acompanhamos o encontro mágico entre Daniel e Moira, mágico pois desse encontro surge uma história de amor. Moira, a artista plástica faz surgir em Daniel um sentimento que há muito ele tinha perdido, a paixão. Daniel passa a imagina-la e deseja-la com todas as suas forças. Desse encontro surge o namoro, uma relação que começa por acaso, mas que fatalmente desdobra em um grande amor. Por fim, acompanhamos a relação entre Daniel e Karinguiri, a relação entre pai e filha, uma relação de amor paternal.

A sociedade dos sonhadores involuntários é um livro que não fala apenas sobre os sonhos e sua importância, é um livro que fala sobre a lute de jovens para conquistar um futuro melhor do que aqueles que seus país conquistaram, mas também fala como é viver em um país dominado por um regime opressor, demonstra a interferência de um governo corrupto na vida privada, aliás, os direitos humanos ou privados de pouco servem em um país opressor. Em uma Angola arrasada pelos efeitos da guerra, bem como alguns outros países, vemos cada personagem lutando para melhorar a própria vida, mas também as vidas dos entes queridos e cada um dos personagens tendo que lidar com os resultados de suas ações e escolhas.


Ao meu ver o grande diferencial ou ponto positivo do enredo reside justamente nos problemas políticos e sociais que ocorrem em Angola, pois pelo conhecimento que tenho sobre o autor, ele apenas abordou os conflitos sociais angolanos no período colonial, incluindo a busca pela independência do país. Não me lembro de críticas sociopolíticas tecidas por Agualusa em face a situação do seu país nos dias atuais. A sociedade dos sonhadores involuntários é um livro incrível, pois o autor no leva a conhecer a realidade de um país repleto de marcas e que ainda convive com problemas sociopolíticos, Angola. Eu gostei muito dos personagens apresentados, visto que foram bem construídos e possuem características próprias. Recomendo esse livro para todos que desejam conhecer a escrita de Agualusa!


Sobre o autor: Membro da União dos Escritores Angolanos e já teve seus livros traduzidos para quase 30 idiomas. Vencedor do Independent Foreign Fiction Awards por O vendedor de passados e do International Dublin Literary Award por Teoria geral do esquecimento, que também foi finalista do Man Booker International Prize.

Ficha técnica:
Título:
A sociedade dos sonhadores involuntários
Autor: José Eduardo Agualusa
Editora: Tusquets
Páginas: 256
Ano: 2017
ISBN: 9788542210804
Onde comprar: Amazon - Planeta

Postar um comentário

0 Comentários