[RESENHA #901] CORAÇÃO SUBTERRÂNEO - OLGA SAVARY

 


        Sinopse: Nascida em Belém do Pará e estabelecida no Rio de Janeiro até a sua morte em 2020, Olga savary não foi uma, mas várias: a poeta movida pela natureza luxuriante de seu estado natal; a mulher destemida que foi uma de nossas grandes vozes da lírica erótica; a praticante de Haicais; a autora dividida entre a carne e a imaginação, a selva e a cidade. uma das mais altas personificações da nossa lírica na segunda metade do século XX. 

E que merece ser lida por toda uma nova geração de leitores. Se a sua voga Inicial se deu entre os anos 1970 e 1980, quando ocupava um lugar especial e consagrado em nossa cena poética, é agora, portanto, que Olga Savary tem todas as condições de ser novamente celebrada e não apenas pelo seu pioneirismo em muitas modalidades poéticas, mas também porque sua lírica, que experimenta os mais diversos registros, modalidades e formas, parece cada vez mais nossa contemporânea. Pois trata de temas sempre atuais, como o Amor e Sexo, o afeto e o silêncio, nossa vida natural, Nossa herança indígena, além de poema sobre a própria poesia, as cidades que conheceu, o tempo em que viveu.


  Esta antologia, que cobre toda a carreira da autora e apresenta de forma panorâmica as suas múltiplas vertentes, reúne cem poemas e oferece uma nova porta de entrada para uma obra potente e significativa. "este livro dá a conhecer uma poeta afirmativa do corpo desejante, em que as figuras da entrega e do contato são buscadas Na expressão lírica de uma concordância fugaz o nome de Olga savary se inscreve assim na história recente da literatura brasileira, na companhia de autores como Hilda Hilst, de quem foi próxima, e Leila miccolis, cujos poemas também contrariam a tradicional partilha entre o gênero masculino e, criador, e as musas feministas, objeto passivo de inspiração", escreve a crítica Laura erber no posfácio a esta edição.


  Ao retomarmos a obra de uma grande escritora, a paisagem lírica brasileira fica ainda mais múltipla e rica. Este livro coloca novamente uma autora imprescindível em cena. Desta vez para nunca mais desaparecer. 


Resenha/Opinião: Sobre a obra de Olga savary, já é por si só uma grande responsabilidade, A autora é extremamente conhecida por seus poemas que têm o poder de instigar a carne e tocar a alma ao mesmo tempo. A sensibilidade que Olga consegue transmitir com suas palavras é algo realmente impressionante. Cada poema parece ser uma conversa, na verdade, uma confissão da autora, que parece estar expondo, sem nenhum tipo de censura, todos os pensamentos que lhe passam pela cabeça. 


Olga não é mulher de meias palavras, ela se faz entender a cada linha escrita, cada poema é uma nova história, o que torna o livro  de leitura completamente  fluida. A autora não faz uso de um vocabulário rebuscado em sua obra, mas isso não quer dizer que não exista  fineza e polidez na escolha das palavras.


Este livro é indicado para aqueles que gostam de poemas não só para "molhar os pés", esta obra é para aqueles leitores mais corajosos que gostam de mergulhar de cabeça no mundo da poesia. Deixo aqui a indicação dos quatro poemas que mais me tocaram de alguma forma, são eles "a carta", "a construção", " eu poderia não ser " e " numa praia deserta”. Certeza que cada leitor vai se identificar com algum poema que esteja mais próximo de sua realidade, o que torna o livro ainda mais atrativo, a busca por identificação  enquanto se desfruta o prazer da leitura.


Em sua obra Olga fala sobre a natureza em quase todos os poemas; seja da água ou da terra. Um detalhe interessante é que o mar está muito presente nesses poemas. Os poemas apresentados por Olga são profundos, reflexivos e repletos de força. Essa foi uma leitura maravilhosa!


Sobre a autora: Olga Savary nasceu em Belém (PA), em 1933, e morreu em Teresópolis, em 2020. Poeta, tradutora e ficcionista, estreou com Espelho provisório em 1970, recebendo no ano seguinte o prêmio Jabuti de Autor Revelação. Traduziu obras de escritoras como Octavio Paz, Pablo Neruda e Vargas Llosa. Em 1977 conquista o prêmio de Poesia concedido pela Associação Paulista dos Críticos de Arte. Sua obra poética compreende livros como Altaonda (1979), Magma (1982), Linha-d’água (1987), entre outros. 


Ficha técnica:
Título: Coração Subterrâneo
Autora: Olga Savary
Editora: Todavia
Páginas: 128
Ano: 2021
ISBN-10: 6556921785
ISBN-13: ‎ 978-6556921785
Onde comprar: Amazon

Postar um comentário

0 Comentários