[RESENHA #917] ESCUTE AS FERAS - NASTASSJA MARTIN

 

Sinopse: Estudiosa do Grande Norte subártico, a antropóloga francesa Nastassja Martin viaja à Rússia em busca de famílias do povo even que, tomando distância da civilização pós-soviética, preferem voltar a viver no coração das florestas siberianas. A rotina do trabalho de campo vai avançando como quer a disciplina etnográfica, mas algo mais parece estar em gestação, alguma coisa que por fim eclode na forma de um terrível incidente ― ou, quem sabe, de um encontro ― entre a antropóloga e um urso. É a partir desse acontecimento inespe¬rado e dilacerante que Martin tece a trama de Escute as feras, em que a experiência vivida nutre uma reflexão vertiginosa sobre o humano e o natural, a identidade e a fronteira, o tem¬po do mito e a história contemporânea.

Resenha/Opinião: Publicado pela primeira vez em 2019, "Escute as Feras" é seu segundo livro e retrata experiências de quando, em 2015, a antropóloga realizava uma pesquisa de campo em meio aos evens (povo que vive nas florestas siberianas, afastado da civilização russa), na região de Kamtchátka, na Sibéria, e teve um encontro inesperado com um urso. Desse encontro, Nástia levaria consigo bem mais do que cicatrizes. Por sua contribuição à reflexão sobre a relação entre o homem e a natureza, a obra foi vencedora do prêmio Fraçois Sommer de 2020.

Escute as feras é dividido em quatro partes, em uma clara alusão às estações do ano. Em "Outono", Nástia retrata o ataque e as agonias de sofrer um acidente dessa magnitude em uma região inóspita e em um país estrangeiro. Em "Inverno", a autora detalha todo o longo e árduo processo de recuperação: a reconstrução do maxilar, as idas e vindas ao hospital, o acompanhamento psicológico e todo o drama envolvido. Mas é em "Primavera" que o livro ganha força. Aqui, nós nos damos conta de que as marcas deixadas pelo encontro com a fera não são apenas físicas. Perdida entre o humano e o selvagem, Nástia não consegue mais se adequar ao mundo civilizado e parte para Kamtchátka, de volta ao local do acidente, na tentativa de se reencontrar. No entanto, descobre que já não é possível voltar a ser quem era antes. É preciso aceitar as cicatrizes, sejam elas físicas ou psicológicas, e renascer, buscar se ressignificar. Mensagem que fica clara em "Verão".

Essa foi uma leitura bem diferente pra mim, mas de um assunto que eu gosto bastante: a relação entre homem e natureza. Além de nos apresentar à cultura even, que envolve crenças e costumes bem diferentes dos nossos e que trata de temas como o animismo e a interpretação dos sonhos, a leitura também é um convite à reflexão sobre o nosso lugar no mundo. "Escute as Feras" não é um livro que tenha uma conclusão, é um livro pra pensar. O tipo de leitura que levanta mais perguntas do que dá respostas. O tipo que, particularmente, adoro.


Sobre a autora: Nastassja Martin nasceu em Grenoble, na França, em 1986. Estudou antropologia na École des Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris, onde se doutorou em 2014, sob a orientação de Philippe Descola, com uma tese sobre os gwich’in do Alasca. Publicada sob o título de Les âmes sauvages (Paris, La Découverte, 2016), a tese recebeu o prêmio Louis Castex da Académie Française. Seu livro seguinte, Escute as feras, publicado originalmente sob o título de Croire aux fauves (Paris, Gallimard, 2019), revisita experiências de 2015, quando Martin realizava pesquisas de campo junto aos even da península de Kamtchátka, na Sibéria. O livro recebeu o prêmio François Sommer de 2020 por sua contribuição à reflexão sobre as relações entre o homem e a natureza. Nastassja Martin é membro do Laboratório de Antropologia Social e desde 2020 participa de um comitê contra a degradação turística em La Grave e no maciço dos Écrins, nos Alpes franceses.

Ficha técnica:
Título:
Escute as feras
Autora: Nastassja Martin
Tradução: Camila Vargas Boldrini e Daniel Lühmann
Editora: 34
Páginas: 112
Ano: 2021
ISBN: 978-6555250824
Onde comprar: 34 - Amazon

Postar um comentário

0 Comentários