[RESENHA #926] CHRIS CORNELL, A BIOGRAFIA - CORBIN REIFF


Sinopse: CHRIS CORNELL: a BIOGRAFIA traz a impressionante história do garoto de Seattle que abandonou a escola para se tornar uma das vozes de sua geração – um artista completo que canalizava seu desespero interior para canções que tocaram o coração de milhões em todo o mundo. Recheado de depoimentos de pessoas que conheceram Chris e trabalharam com ele — além de trechos de entrevistas dadas pelo próprio a inúmeros veículos de imprensa —, esta biografia remonta em detalhes à ascensão do Soundgarden de banda underground dos anos 80 a fenômeno da cultura pop e uma das principais lideranças musicais dos anos 90 ao lado de Nirvana, Pearl Jam e Alice in Chains. Jornalista especializado em rock e residente de longa data em Seattle, Corbin Reiff analisa ainda a carreira solo de Cornell, seus anos à frente do Audioslave, sua batalha árdua contra o vício, a promissora reunião do grupo que o tornou famoso e o desfecho trágico que escolheu para si.

Resenha/Opinião: Dos subúrbios de Seattle para os maiores palcos do mundo, essa é história do garoto tímido e introvertido que se tornou voz de toda uma geração à frente do mastodonte do grunge, o Soundgarden. Vencedor de três Prêmios Grammy, Chris Cornell eternizou sua voz também em outros projetos, como o Temple of the Dog e o Audioslave, trilhou uma carreira solo de sucesso, nos presenteou com memoráveis trilhas sonoras e, recusando-se a permanecer na zona de conforto, se arriscou em parcerias inusitadas. Durante toda sua vida travou uma dura batalha contra a depressão e na fatídica noite de 18 de maio de 2017, aos 52 anos, suicidou-se logo após se apresentar com a sua banda, em Detroit.

Depois de seu trágico fim, o jornalista Corbin Reiff, também de Seattle, tomou para si a árdua tarefa de escrever sua biografia. O momento podia não ser dos mais favoráveis, uma vez que família, amigos e companheiros de banda ainda estavam muito receosos e evitavam falar sobre o assunto, mas talvez fosse o mais necessário, já que pouco material havia sido produzido sobre uma das maiores vozes da atualidade. Depois de muito trabalho e paciência, o livro finalmente viu a luz do dia e a espera valeu a pena. A obra chegou ao Brasil em 2021, pelas mãos da editora Estética Torta, em uma luxuosa edição e com tradução de Marcelo Vieira.


O livro de Reiff relata a trajetória de Chris Cornell desde o seu primeiro contato com a música, quando resgatou uma coleção de vinis dos Beatles que estava mofando no porão do vizinho, até seu derradeiro momento, o último show com o Soundgarden, quando recitou versos de "In My Time of Dying", do Led Zeppelin, pouco antes de deixar o palco pela última vez. A infância turbulenta, marcada pela convivência com o pai alcoólatra e por uma rigorosa educação católica, as primeiras aventuras musicais, com o piano de segunda mão dado pela mãe, depois com a guitarra do irmão mais velho e, finalmente, com a bateria, onde ele primeiro se encontrou, tudo isso é esquadrinhado. Mas a maior parte do livro é dedicada, claro, à ascensão com o Soundgarden, a banda que, com seus riffs pesados, letras sombrias, marcações de tempo incomuns e que não tinha medo de ousar, emergiu da cena underground de Seattle para o topo do mundo. Bastidores de turnês e gravações, inspirações por trás das canções, as trocas de integrantes, os perrengues e, claro, a evolução de Chris como músico, das baquetas ao posto de um dos maiores frontmans de sua época, está tudo aqui!

Dono de uma das mais potentes vozes e presenças de palco que o mundo já viu, mas extremamente reservado fora dele, Chris nunca assumiu para si o status de rockstar, parecia saber muito bem como separar a sua vida pública e privada, mas nem por isso o livro de Reiff deixa de entrar em alguns detalhes de sua vida pessoal. Matrimônio e paternidade são alguns dos assuntos que surgem ao longo da leitura e seu lado mais sombrio não fica de fora: suas angústias e tristezas, o vício em álcool e outras substâncias, a forma como lidou com a morte dos amigos de cena (Andrew Wood, Kurt Cobain e Layne Staley) e todas as vezes em que esteve no fundo do poço, esses são alguns dos episódios tratados aqui. Mas o livro também traz relatos mais tocantes, como a amizade com o Pearl Jam, com os Ramones e com o vocalista do Linkin Park, Chester Bennington. A obra prossegue com a dissolução do Soundgarden, a formação do supergrupo Audioslave, a decolagem da carreira solo, o retorno do Soundgarden e, por fim, sua morte.

Ainda hoje parece que a ficha não caiu. Em 2017, a notícia de sua morte caiu sobre mim e foi um baque, e relê-la agora, cinco anos depois, foi estranho, como se estivesse acontecendo de novo. Fiquei mal com o final. É algo que ainda não consigo assimilar muito bem, pois sempre tive uma relação íntima com seus discos e já perdi a conta de quantas vezes suas letras foram o meu conforto. Chris pode não estar mais por aqui, mas seu legado permanece e acredito até que possa salvar pessoas. Fico feliz em saber que sua trajetória agora está registrada da forma como merece. Mais do que preencher uma lacuna, o livro de Reiff traz um alento para o coração dos fãs e dos amantes de boa música.


Sobre o autor: Corbin Reiff é o autor de Lighters in the Sky: The All-Time Greatest Concerts 1960-2016. Seus textos já foram publicados em veículos como Rolling Stone, Billboard, Pitchfork, Complex, Spin, Uproxx, The Washington Post, The Seattle Weekly e The Seattle Times. Mora em Seattle com a esposa, Jenna.

Ficha técnica:
Título:
 Chris Cornell, a biografia
Autor: Corbin Reiff
Tradução: Marcelo Vieira
Editora: Estética Torta
Páginas: 432
Ano: 2021
ISBN:
 9786589087199
Onde comprar: Amazon - Estética Torta

Postar um comentário

0 Comentários